A comida nossa de cada dia




Neste mês em que celebramos o Dia Mundial da Saúde, nós escolhemos dar ênfase à alimentação como um dos principais pilares de uma vida saudável. Hoje trazemos uma reflexão acerca do nosso comer do dia a dia, do ponto de vista das origens dos nossos cardápios e também da origem das nossas escolhas.

Comida é algo que faz parte da nossa rotina mais frequente desde a ida ao mercado (ou pedido pelo aplicativo), passando pela escolha do que cozinhar e até as consequências destas escolhas.


A nossa relação com a comida é também emocional, pois quando escolhemos nossos pratos favoritos nos baseamos geralmente nas nossas memórias, nos hábitos alimentares que desenvolvemos desde a infância. E na vida adulta esta relação pode ser positiva ou danosa a depender de onde você posiciona a comida diante de você, sujeito. Se você a põe como objeto, você está no comando, mas no caso contrário é ela, a comida quem manda em você. Nesta segunda possibilidade, o sujeito pode estar de certa forma minimizando a sua existência, o que geralmente acontece por conta de experiências da vida que o levam a uma baixa auto-estima, o que determina uma dificuldade em se cuidar. A comida torna-se

uma armadilha na qual o sujeito cai por não ter uma força interna suficiente para dizer não, muito embora saiba que aquilo lhe traz prejuízos. Daí surgem os transtornos alimentares incluindo a obesidade. É algo muito subjetivo, portanto cada pessoa desenvolve uma relação pessoal com a comida, e a psicoterapia pode ser uma aliada necessária em alguns casos, para entender e modificar uma relação danosa.



E aqui no Brasil nossas memórias e hábitos nos levam à uma infinidade de opções no que diz respeito à culinária. Nossa riqueza alimentar é imensa e baseada na mistura entre as principais referências da nossa cultura: indígena, africana e europeia. Dos indígenas

herdamos o hábito de comer vegetais dos mais diversos, peixes, caças e outros alimentos

frescos. A culinária da África tem uma influência ilimitada nos nossos pratos e juntamente com a indígena, por conta dos encontros entre negros e indígenas nas matas na triste época da escravidão, tal união formou uma das cozinhas mais ricas e diversas do mundo. Itens como feijão, aipim, milho, dendê, coco, folhas, beiju, castanhas, mingau, cuscuz

tornaram-se indispensáveis na mesa de muitas famílias. Somado a isto temos a cozinha da Europa, que se espalhou também de norte a sul, muitas vezes tendo que adaptar seus

pratos por conta da falta de alguns ingredientes, a feijoada é um exemplo disto, sendo um prato típico português, ganhou uma cara totalmente brasileira.



O Brasil é um país de dimensões continentais e como povos de diversas partes do mundo foram atraídos por suas riquezas naturais, hoje encontramos comidas de todas as nações, além das já citadas, os asiáticos se fazem também muito presentes, por conta disso temos hábitos alimentares tão ricos e tentadores. Nossa mensagem para você é, aproveite muito tal riqueza mas tenha em mente que uma alimentação saudável e que promove o bem estar, passa pelo equilíbrio e pela consciência de que a comida é e deve sempre ser o objeto da sua escolha e não o contrário.


Bom apetite!!!!

0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo