Banner2.jpg

“AMAR, CUIDAR, SERVIR” é o lema que pode sintetizar a trajetória de Geraldo Magella Cayres Britto Vieira, Sr. Geraldo, e que tem se materializado em sua vida de variadas formas.

Sr Geraldo

Desde cedo se interessou pelas ARTES e pelas belezas da natureza. Dotado de um dom artístico que está na “veia” da sua família materna, cresceu observando a mãe, Dona Pequena confeccionar flores de pano para ornamentar a igreja matriz de Paramirim e também o andor de Santo Antônio, missão em que permaneceu até quase os 90 anos.

Nascido na cidade baiana de Paramirim, em 05 de dezembro de 1932, é o terceiro filho de Maria Odett Cayres Britto Vieira (Dona Pequena) e José Carmelino Vieira, primeiros destinatários de seu amor, cuidado e respeito.

Quando criança, confeccionava em madeiras seus próprios carrinhos e fez um brinquedo especial, um engenho de cana-de-açúcar que funcionava de verdade, produzindo até rapadura. Os variados objetos em barro que confeccionava, como telhas e bichinhos, além de servirem para brincar, eram colocados no magnífico presépio que sua Mãe montava todos os anos.

E assim, Sr. Geraldo exerceu sua arte ao longo da vida, se dedicando a esculpir madeira,

encontrando nela formas; transformando simples galhos ou troncos de árvores, que poderiam passar despercebidos por outrem, em um animal, um quadro ou uma escultura.

Cultivar bons sentimentos proporcionou ao jovem Geraldo oportunidades ímpares, como a de acompanhar os tios Nabor, Milton e Nelson Cayres de Britto em viagens a São Paulo, numa época em que as notícias no interior da Bahia chegavam apenas pelo rádio.

Nestas ocasiões, além de ter contato com um mundo de progresso efervescente, teve o privilégio de desfrutar da companhia de personalidades da época, pois seu tio, Dr. Nelson Cayres de Britto, era médico de Assis Chateaubriand, considerado então o Imperador das Comunicações, e lhe propiciou alguns encontros com o famoso jornalista, durante as visitas que realizava à sua residência, a chamada “Casa Amarela”. Alí, no bairro paulista de Jardim Europa, conheceu o grandioso viveiro de colibris, coleção de Chateaubriand, que era localizado no jardim de sua casa.Num outro momento, acompanhou Dr. Nelson em uma viagem urgente à cidade de Araxá-MG, no avião dos Diários

WhatsApp Image 2020-08-16 at 10.19.jpg
Máscara_Mortuária_Assis_Chateaubriand_

Associados, para socorrer Chateaubriand, acometido de um mal súbito. Mas o que mais o marcou foi presenciar à confecção da máscara mortuária do jornalista no Hospital Santa Catarina em São Paulo, ao lado do tio.

Desejando ampliar seus horizontes, seguiu o destino dos jovens da época e deixou sua amada Paramirim para estudar a mais de 700Km, em Salvador, sendo acolhido pelo tio Milton Cayres de Britto, em sua residência, durante todo seu período de estudos. Na capital baiana fez diversos cursos como segurança do trabalho,

residência da Coelba, bubinamento de motores e geradores elétricos e graduou-se em Eletrotécnica na Escola de Engenharia Eletromecânica da Bahia no ano de 1964.

Retornando a Paramirim neste mesmo ano, os frutos de sua capacidade técnica e intelectual começaram a se materializar, tendo se responsabilizado pela construção e instalação da rede de iluminação pública da vizinha cidade de Dom Basílio-BA e também da Sede do seu município, feitos esses de que até hoje se honra e orgulha.

Em 30 de julho de 1970 casou-se com Maria do Carmo Medrado Barbosa Vieira (Lêda) e tiveram quatro filhos: Tereza, Thamar, Nelson e Karina. Destes, vieram cinco amadas netas: Maria Clara, Maria Carolina, Brenda, Marianna e Maria Cecília. 

Muitas atividades profissionais foram desenvolvidas em Paramirim e cidades circunvizinhas. Exerceu o cargo público de Vereador, chegando a ser Presidente da Câmara Municipal atuou no Cartório de Registro de Imóveis e no laboratório do posto de saúde municipal, realizando importantes trabalhos na prevenção da tuberculose.

WhatsApp Image 2020-08-16 at 10.17.16.jp
WhatsApp Image 2020-08-13 at 15.31.11.jp

Nos doze anos em que exerceu a função de Diretor do Colégio de Paramirim, onde também lecionava Física, pôde realizar a recuperação física e pedagógica da instituição, com destaques para a construção da quadra esportiva através de mutirões com a comunidade, a criação da biblioteca, o reconhecimento do Colégio pelo MEC e sua estadualização. Esse colégio, mantido por uma fundação privada, foi berço educacional de muitos paramirienses, inclusive dele e de seus filhos.

Após a aposentadoria na década de 90, continuou suas atividades

laborativas como técnico eletricista responsável pela manutenção da parte elétrica do Hospital Américo Resende, ainda por muitos anos.

Amante de flores e plantas ornamentais, não mede esforços para conseguir mudas exóticas e raras ou apenas exemplares diferentes dos que já tem, levando-os  para seu sítio onde podem ser encontrados pau brasil, palmeira imperial, jacarandá, noz moscada, limão siciliano, canela e muitas outras espécies.

Há cerca de dez anos, desenvolveu uma paixão especial pelas ORQUÍDEAS. Encantado com a beleza de cada flor, admira sua

WhatsApp Image 2020-08-13 at 15.39.13.jp

forma, cor e tamanho. Em uma de suas visitas a Salvador, se deparou com as plantas que já não mais floriam, nas casas de suas filhas, e decidiu leva-las para Paramirim. Começou a cultivá-las, obtendo nova floração e dai o gosto

Placa Sítio Vó Pequena - 1.jpg

foi aumentando a cada dia, levando-o a adquirir mais exemplares, a se interessar por visitar diversas feiras de orquÍdeas em Salvador e Lauro de Freitas. Com isso a sua coleção foi aumentando e isso o fez construir um verdadeiro orquidário no quintal de sua residência, o qual cuida com muito esmero e dedicação, tornando essa sua principal atividade cotidiana, considerando-a sua terapia diária, com uma fundamental importância para a sua saúde mental.

De um temperamento reservado, calmo e introspectivo, mas sempre com uma boa história para contar. Suas conversas relembram fatos, situações e

as ricas experiências de sua vida, que tem a alegria de repassar para familiares e amigos, de forma prazerosa e com bastante leveza.

Conserva, dentre suas atividades, a produção do famoso licor de jenipapo, numa infusão que chega a cerca de 20 anos, presente muito apreciado por amigos e familiares.

Sr. Geraldo, como é conhecido por todos, vive ativamente os seus 87 anos de idade, gozando de boa saúde, com uma vida saudável e com um grande entusiasmo e muita vontade de viver! Um exemplo a ser seguido!

Orquidário

Veja fotos das obras e orquídeas do Sr. Geraldo.